Manual do sexo anal: confira como fazer

Mesmo que seja uma prática antiga, ela ainda contém muitos tabus, tanto por seu local, no qual é localizado o ponto G do homem, quanto por ser um tabu para alguns casais héteros e lésbicas. Porém, além desses tabus, há muito por trás do sexo anal, seja em sua história, que é muito antiga, seja pela sua anatomia e o modo de como fazer sexo anal de maneira segura, já que quando feito irresponsavelmente, pode causar problemas. Mas quando bem preparado, por exemplo, por meio das técnicas utilizadas na massagem tântrica, pode trazer mais consciência da região, aumentando o prazer e diversificando as formas de relação na vida do casal ou indivíduo.

Seja ele feito por casais heteros, no qual tanto o homem pode fazer as práticas do sexo anal, quanto a mulher – o que não diminui a sexualidade de nenhum dos dois -, quanto por casais lésbicos, que podem usar brinquedos, dedos, a boca para poder ter o prazer anal, mas sempre tendo responsabilidades, consentimento mútuo e prazer. 

E para esse prazer acontecer, é importante, independente da sexualidade, ter abertura para uma conversa. Uma boa comunicação pode salvar a primeira e as outras tentativas na hora de ter a primeira vez com o sexo anal. É importante saber se seu parceiro ou parceria está gostando, se está com tesão o suficiente e relaxado para fazer, e sempre sabendo o limite do seu parceiro. 

Por isso, preparamos este manual completo com tudo o que você precisa para saber como fazer sexo anal sem dor e com muito prazer para ambos do casal. 

Veja aqui: sexo anal como fazer | Foto: Unsplash



História do sexo anal

Quando falamos sobre sexo anal em um contexto histórico, devemos levar em consideração que a prática é realmente antiga, e que há fatos e documentos históricos pelo mundo inteiro sobre a prática. 

Começando com a América Latina, onde se tem inúmeras esculturas e imagens contendo conteúdo de sexo vaginal, oral e anal, uma dessas figuras está no noroeste da Cidade do México, onde ficava o povo da cultura Tlatico, que reproduziam figuras humanas praticando sexo. Essas esculturas foram datadas no ano de 1000 a.C. Além disso, também há esculturas de uma figura masculina com dilatação anal, que pertencia à cultura Tumaco-La Tolita, na Colômbia.

Já na Europa, existem registros das práticas de sexo anal na Roma Antiga, e mesmo que historiadores digam que romanos eram abertos para variadas práticas sexuais, ainda assim, havia restrições para a prática anal. A passividade nos homens, no caso de relações homossexuais, era considerada um ato visto com repúdio, por ser uma prática inteiramente feminina. Logo, quem a praticasse, e fosse homem, era condenado. 

Ainda na Europa, entrando na Idade Média, muitos atos foram condenados pela Igreja católica, extremamente rigorosa, que condenava a prática de sexo anal, já que essa era considerada um erro, um pecado. Assim, o sexo era apenas para reprodução, e não para prazer, o que traz também a problemática de que muitas mulheres não tinham prazer na prática sexual com seus parceiros. 

Porém, corriam muitas especulações na época, e até hoje, de que alguns integrantes da igreja, principalmente aqueles que praticavam celibatos, faziam sexo anal.  Além de toda a história, muitos tabus ainda existem e, com o passar dos anos, buscamos que eles sejam quebrados, pelo fato de muitos homens e mulheres terem curiosidade de experimentar essas práticas, mas terem vergonha e dúvidas. É sempre importante trazermos o fato de que, quando feito com preparação anterior, comunicação, lubrificação e consentimento, o sexo anal pode se tornar uma fonte de prazer para um casal. É muito importante conhecer essa região, seja ela a sua ou a do seu parceiro ou parceira.



Anatomia do sexo anal

Ter o conhecimento de como essa região funciona é de extrema importância para poder saber como e onde são as áreas de prazer, para poder fazer em seu parceiro ou para seu conhecimento corporal. Isso é muito importante, pois você pode descobrir partes que podem te dar prazer, outras nem tanto. E, também, porque o ânus é uma região extremamente sensível e, quando você não conhece bem a região pode sentir dores por dificuldade de relaxar, ou até mesmo correr riscos biológicos causando infecções e outras doenças sexualmente transmissíveis. 

Nessa região, é importante conhecermos três nomes: ânus, reto e esfíncter anal. São nessas regiões que tudo vai rolar, por isso, é importante conhecer e saber seus detalhes mais importantes para poder praticar sexo anal seguro. 

  • Ânus: orifício que se encontra no final do tubo digestivo, é por ele que são evacuadas as fezes. Ele é composto pelo intestino e por capas de pele, que são terminações nervosas que deixam essa região mais sensível e também extremamente prazerosa;
  • Reto: essa é a parte final do tubo digestivo, porém, fica acima do ânus e não é tão sensível quanto o ânus em si;
  • Esfíncter anal: ele é o anel muscular do ânus, é ele que mantem nosso ânus fechado. É com ele que podemos relaxar e contrair. Você pode identifica-lo agora, fazendo uma pequena contração, como se estivesse segurando a vontade de ir ao banheiro. Achou?



Como fazer de forma segura?

Agora que já sabemos as partes detalhadas dessa região, é importante sabermos algumas coisas de como fazer sexo anal em segurança. Primeiro, devemos lembrar que nosso ânus possui capas de pele, essas são sensíveis e sujeitas a pequenos rasgos quando algo entra ou sai daquela região. Dessa forma, é mais fácil acontecer fissuras , sangramentos e também contaminações. 

Por isso, o uso da camisinha é indispensável para um sexo anal seguro, já que essa cria uma fantástica proteção, dificultando que algumas DSTs surjam, como herpes, gonorreia, HIV e outras doenças que podem deixar a prática perigosa e nada prazeirosa.

Outra dica para que essa prática seja feita de maneira segura e sem fissuras, é o uso de lubrificantes, principalmente aqueles feitos com base de água. Nada de colocar outros produtos á base de petróleo ou químicos, como shampoo, cremes, etc.  Fazendo isso, as chances de causar alergia ou outro problema na região é enorme! Utilizando produtos lubrificantes específicos e a base de água, as chances de ter uma irritação na região são mínimas, além de que o uso diminui a dor pois lubrifica a região e as chances de fissuras reduzem consideravelmente.


Outra dica importantíssima: “NÃO USE anestésicos locais!” Se você anestesiar a região, estará perdendo a possibilidade de se auto-regular no relaxamento e contração do esfíncter , sentir prazer (pois estará anestesiada a região)  e após essa amnésia passar, poderão surgir as dores para te lembrar do momento”. E isso não é nem um pouco agradável.



Preparação: faça ser satisfatório

Já abordamos os aspectos de segurança, agora para a prática ser mais prazeirosa, trouxemos algumas dicas valiosas que você precisa saber, para ter uma relação anal saudável e de muito prazer.

1-) Invista na consciência corporal – Aprender sobre seu corpo e desenvolver maior consciência para o relaxamento é importantíssimo! Conheça práticas que  utilizem a respiração como condutora de prazer, como a massagem tântrica, por exemplo. Aprender sobre relaxamento e excitação podem te auxiliar diminuindo a tensão na hora H e deixando o corpo preparado para o prazer.

2-) Uso de um plug anal, anteriormente à prática sexual. Você pode aprender a contrair e relaxar essa musculatura aproveitando todo o potencial de prazer da região. Sem exageros, comece com 10 a 15 minutos diários de uso.

3-) Aprenda sobre toques de massagem na região do glúteo, parte externa e interna do ânus. Você pode usar os dedos,  palmas das mãos, pressão com o “calcanhar da mão”, e muitos outros toques que você pode ir testando e percebendo. A dica é: SEMPRE de fora para dentro, não avance diretamente para a região central, comece de fora. 

4-) Toque mais o ânus, o banho é um momento perfeito para você criar mais intimidade e potencializar a consciência dessa parte do corpo. Comece com uma massagem nos glúteos, empurrando de fora para dentro, massageando indiretamente o ânus. Passe mais tempo no toque diretamente no esfíncter externo, relaxando a região e percebendo as modificações no seu corpo. Aos poucos avance com um dedo para dentro e perceba toda a região interna como se fosse um relógio – tocando todos os horários.

5-) Se você já conhece o Pompoarismo, pode fazer algumas práticas de contração e relaxamento usando o MPC, o esfíncter anal e aproveitar o relaxamento e consciência da musculatura interna do ânus. Dica: Usando a respiração no diafragma, inspire contraindo a região e relaxe na expiração, soltando algum som de relaxamento.

6-) Outra técnica, é a do elevador, onde você pode empurrar o assoalho pélvico para cima e para baixo, promovendo maior elasticidade e amplitude de movimentos no assoalho pélvico e orifício anal. Experimente novas formas de se relacionar com essa região;

Com essas dicas, temos certeza que você pode se preparar melhor para sua relação sexual anal. Coloque em prática e se precisar de um auxílio maior, conte com profissionais da terapia tântrica e educação sexual somática para te acompanharem nesta jornada de descoberta.

Tenha em mente que nem sempre de primeira pode conseguir de fato fazer sexo anal sem dor. Portanto, em qualquer sinal de dor, nada de frustração, pare imediatamente e volte aos treinos de relaxamento e consciência.

Ficou com vontade de praticar?  Então segue mais algumas dicas para a Hora H.

Conhece a “Chuca”? Muito conhecida, também no Brasil, a ducha que se faz na região anal é muito usada para fazer a limpeza do local onde haverá penetração, ou o uso da língua ou dedos. Com o objetivo de fazer uma lavagem, essas duchas têm uma forma correta de serem feitas, pois, podem causar danos na sua saúde intestinal. Então, pesquise e teste. Assim você evita possíveis constrangimentos na hora do prazer e aumenta sua segurança e relaxamento.


Use, abuse e peça o beijo grego, famoso oral anal. Pode ser bem-vindo na hora da preparação, seguido de massagens na região, para ter o primeiro contato com o prazer anal, sempre tendo cuidado necessário com proteção para a prática. Sentiu vontade de ir mais profundo? Comece com os dedos. No caso das mulheres, antes e também durante o ato sexual, pode se ter o toque no clitóris e em toda a vagina e vulva, proporcionando mais excitação, relaxamento e conexão com o prazer. Falando em posições, veja a seguir três ótimas posições para iniciar o sexo anal.



Posições

Por mais que muitos achem que a posição “de quatro” é a melhor e única posição para se fazer sexo anal, isso não é verdade. Essa posição muitas vezes nem é recomendada para quem está começando, já que ela necessita de espaço e pode não ser prazeroso o ritmo para o casal fazer sexo anal. Por isso, separamos algumas posições que podem te ajudar a ter uma boa primeira vez no sexo anal. 



A colher

Posição sexual a colher | Foto: Claudia
Posição sexual quero massagem | Foto: Claudia
Posição sexual a amazonas | Foto: Claudia



Riscos e cuidados

Por ser uma zona sensível, onde pode haver fissuras, e é um local onde a absorção é muito grande, qualquer bactéria ou corpo estranho pode causar doenças, infecções e alergias. Por isso, é importante trazer a importância da camisinha e a confiança em seu parceiro. Além de HIV, pode ter contato com bactérias e parasitas, como Giárdia, amebas intestinais, sem falar que deve ser feito com calma e cuidado, já que pode causar machucados e hemorroidas.  Para saber como fazer sexo anal com segurança, use lubrificante e camisinha, assim, sua experiência com sexo anal pode ser espetacular e muito prazerosa.


Centro de Massagem Tântrica em São Paulo.

Estamos localizados no bairro Jardins em São Paulo, Campinas e Brasília. Conheça os nossos serviços e nosso time de terapeutas que vão te ajudar.

Open chat